Fale conosco pelo WhatsApp Fale conosco pelo WhatsAppEnvie uma mensagem

Laser para remoção de tatuagem

Dermatologista usando laser para remoção de tatuagem em paciente

O procedimento a laser é muito eficiente e seguro, mas a remoção total da tatuagem pode depender de fatores como coloração e tinta utilizadas

Para algumas pessoas, as tatuagens são muito mais do que apenas desenhos: elas são capazes de retratar fases e marcas que possuem significado especial. Embora por muitos anos fosse vista como uma marca corporal definitiva, hoje é possível aplicar o laser para remoção de tatuagem para quem por algum motivo não deseja mais carregar o desenho em sua pele.  

O que acontece com a pele na tatuagem?

A tatuagem é feita a partir da penetração de agulhas na pele do indivíduo, depositando tinta na derme (a camada intermediária da pele, que contém vasos sanguíneos e nervos). Para o organismo, cada picada de agulha é uma ferida, e o corpo reage naturalmente iniciando um processo inflamatório.

As células do sistema imunológico são enviadas para o local da ferida, em uma tentativa de limpar a inflamação existente. O que sobrar acaba sendo absorvido por células chamadas fibroblastos, ficando na derme para sempre. É por isso que as tatuagens são permanentes, podendo ser removidas apenas com um procedimento específico que utiliza laser para remoção de tatuagem.

Como funciona a remoção de tatuagem?

Remover uma tatuagem não é um procedimento tão simples. Isso porque, além do procedimento em si, a decisão pela remoção pode ser resultante de um arrependimento ou por uma mudança naquilo que a marca significa para o indivíduo. Em outras palavras, o tratamento pode ser dolorido de maneiras diferentes.

É importante destacar que este não é um procedimento livre de riscos. Por isso, é muito importante cautela no momento de decidir pela aplicação do laser para remoção de tatuagem.

O uso do laser é, sem dúvidas, o método mais eficaz para quem deseja remover uma tatuagem. Isso não significa, entretanto, que o procedimento permite a eliminação total do desenho em 100% dos casos, já que a resposta ao tratamento depende diretamente da profundidade que pigmento penetrou na pele do paciente.

Tatuagens amadoras e malfeitas são mais fáceis de serem removidas totalmente, enquanto as tatuagens profissionais e muito coloridas são mais complexas de tratar com laser. Além disso, cada pigmento reage de forma diferente ao laser para remoção de tatuagem, e é somente no decorrer das sessões de que o médico dermatologista poderá avaliar melhor as condições de evolução do tratamento.

Alguns pigmentos podem conter óxido de ferro e dióxido de titânio que, ao entrarem em contato com o laser, escurem ainda mais a tinta.

Como é feito o procedimento?

O tratamento é feito a partir da aplicação do laser para remoção de tatuagem diretamente na região da pele em que se encontra o desenho. Para tornar o procedimento menos doloroso, o dermatologista utiliza um vapor resfriador no momento da aplicação e logo após a aplicação do laser. Também há a possibilidade de aplicar uma pomada anestésica em pacientes que são mais sensíveis à dor.

O laser irá destruir os fibroblastos em partículas pequenas que, então, serão reabsorvidos pelo corpo, apagando a tatuagem. Algumas tintas que não são reconhecidas pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), podem conter partículas de mercúrio e cádmio que, ao serem quebradas, se transformam em substâncias tóxicas.

É mais fácil remover uma tatuagem recente ou antiga?

O tempo não é necessariamente o principal fator que favorece a remoção da tatuagem, e os resultados do procedimento dependem de outros fatores — como a qualidade da tinta e a quantidade de cor utilizada. Normalmente, as tatuagens mais antigas são consideradas mais fáceis de remover, pois a maior parte do pigmento já perdeu a concentração com o tempo.

Como fica a pele depois da remoção de tatuagem?

Por mais que a aplicação de laser para remoção de tatuagem seja um tratamento bastante seguro e eficaz, existe a possibilidade de que a pele da região fique mais clara em comparação ao restante do corpo. Além disso, também pode haver hiperpigmentação e sensibilidade na pele.

Para evitar este tipo de intercorrência e garantir o alcance de resultados satisfatórios, é recomendado adotar os seguintes cuidados após a aplicação do laser para remoção de tatuagem:

  • Evitar exposição ao sol 30 dias antes e 30 dias após o tratamento;
  • Respeitar a cicatrização natural da pele;
  • Observar possíveis reações — tais como coceira, elevação na pele, vermelhidão ou ardência — e sempre relatá-las ao médico dermatologista responsável pelo tratamento;
  • No intervalo entre as sessões de remoção, manter coberta a área em que foi feito o tratamento.

Outros riscos do tratamento com laser para remoção de tatuagem

  • Remoção parcial da tatuagem: pois existem chances de lesões residuais e pequenas cicatrizes;
  • Hiperpigmentação da pele;
  • Formação de bolhas e queimaduras na pele: esta é uma reação que pode ocorrer ao longo do tratamento. Por isso, vale ressaltar a importância na escolha de um médico dermatologista capacitado a realizar o procedimento e com experiência neste tipo de tratamento.

O resultado da remoção depende de diversas variáveis e depende diretamente da evolução do tratamento ao longo das sessões, período em que pode ser necessário utilizar cremes ou realizar tratamentos dermatológicos específicos para favorecer uma cicatrização adequada. Para saber mais sobre o tratamento com laser para remoção de tatuagem, entre em contato e agende uma consulta com a Dra. Maria Claudia!

Fontes:

Dr. Maria Claudia Luce

Sociedade Brasileira de Dermatologia.

Autor: Dra. Maria Claudia

Formada em Medicina pela Universidade Federal de Ciências da Saúde de Porto Alegre (UFCSPA) e pós-graduada em Medicina de Família pela mesma instituição, a dermatologista Dra. Maria Claudia Alves Luce fez Residência Médica em Dermatologia no Hospital do Servidor Público Estadual de São Paulo (HSPE) e possui título de especialista pela Sociedade Brasileira de Dermatologia (SBD). Atualmente realiza Pós-Graduação em Dermatocosmiatria pela Faculdade de Medicina do ABC (FmABC).