Fale conosco pelo WhatsApp

Foliculite

Imagem de um homem com foliculite

A foliculite é uma inflamação que acomete o folículo piloso e pode ser prevenida por meio de cuidados diários

A foliculite é uma infecção de pele que tem origem nos folículos pilosos, estrutura responsável pelo nascimento e crescimento dos pelos corporais, podendo acometer qualquer pessoa em diferentes partes do corpo.

A foliculite pode ser superficial e profunda e estar relacionada a diferentes agentes desencadeantes do quadro. Saiba mais a seguir!

Causas da foliculite

A causa mais frequente de foliculite é a infecção do folículo piloso por bactéria ou fungos. Entretanto, a condição também pode estar associada a vírus ou ser desencadeada por pelos encravados, que é quando a ponta do pelo se curva e não consegue romper a barreira dérmica, resultando em uma inflamação.

A bactéria Staphilococcus aureus (estafilococos) é a mais comum associada aos quadros de foliculite e é frequentemente encontrada na pele dos seres humanos.

O quadro de foliculite também pode se desenvolver em decorrência de algumas práticas comuns do dia a dia, como:

  • Uso de lâminas de barbear;
  • Roupas apertadas que causam atrito na pele, retêm umidade e calor;
  • Escoriações na pele, como ao coçar;
  • Feridas cirúrgicas;
  • Picadas de insetos;
  • Quadros de acne;
  • Quadros de dermatite;
  • Transpiração excessiva;
  • Uso de curativos plásticos;
  • Uso frequente de cremes esteroides e de antibióticos tópicos.

Portanto, as causas da foliculite são variadas e pessoas que apresentam o quadro de forma recorrente devem ficar mais atentas aos hábitos que podem desencadear o problema.

Sintomas da foliculite

A foliculite consiste em uma manifestação infecciosa na pele formando pápulas, semelhante a espinhas, com a ponta branca, com ou sem a presença de pus.

A condição pode acometer um ou mais folículos pilosos e gerar coceira, sensibilidade e dor. Ao coçar, se as pápulas são rompidas, pode gerar ardência e a lesão na pele aumenta os riscos de inflamações.

Nos quadros de foliculite profunda, os sintomas incluem vermelhidão, lesões elevadas, presença de pus, sensibilidade e dor devido à formação de furúnculos.

Onde a foliculite pode se manifestar?

A manifestação da foliculite pode ocorrer em todos os lugares do corpo que têm folículos pilosos, sendo que eles não estão presentes apenas nas palmas das mãos, sola dos pés e membranas mucosas, como os lábios.

Para entender melhor a foliculite também é importante saber que existem duas manifestações principais, as superficiais e profundas. Entenda mais a seguir.

Foliculites superficiais

As foliculites superficiais são aquelas que acometem apenas a parte superior do folículo piloso. São elas:

  • Foliculite estafilocócica: consiste no tipo mais comum de foliculite, referindo-se aos quadros nos quais ocorre a infecção bacteriana, principalmente pela Staphylococcus aureus que vive na superfície da pele, mas pode causar quadros infecciosos quando entra no corpo por uma lesão;
  • Foliculite por pseudômonas: também chamada de foliculite da banheira quente, consiste na infecção por bactérias do tipo Pseudomonas aeruginosa, que estão presentes em ambientes aquáticos com níveis de cloro e pH desregulados. Os sintomas surgem entre oito horas e cinco dias após a exposição com erupções vermelhas, coceira e bolhas com pus;
  • Pseudofoliculite da barba: trata-se de um quadro inflamatório dos folículos pilosos na face devido à pelos encravados. O problema se manifesta após os pelos raspados curvarem-se durante o crescimento. Pode ocorrer na virilha em pessoas que fazem depilação com cera e, em alguns casos, deixar cicatrizes;
  • Foliculite ptirospórica: ocorre mais frequentemente em adolescentes e homens adultos, sendo que a infecção é causada por fungo que acomete regiões do dorso, tórax, pescoço, ombros, braços e face e causa a formação de pápulas avermelhadas que coçam.

Foliculites profundas

A foliculite profunda ocorre quando o processo infeccioso acomete todo o folículo piloso, consistindo em casos mais graves. São eles:

  • Sicose barba: consiste na inflamação do folículo piloso devido ao ato de barbear-se, acometendo o lábio superior, queixo e mandíbula. Inicialmente manifesta-se como pústulas e podem resultar em cicatrizes em casos mais graves;
  • Foliculite por bactéria gram-negativa: tipo de foliculite que acomete a pele de pessoas que fazem uso prolongado de antibióticos tópicos para tratamento da acne. Apesar de aliviar quando o medicamento é interrompido, pode causar lesões graves na pele;
  • Furúnculos e carbúnculos: são quadros nos quais há uma infecção profunda do folículo piloso por bactérias estafilocócicas. Inicia como uma pápula vermelha, mas cresce gradualmente e junta pus até romper. O carbúnculo consiste em vários furúnculos, sendo uma condição mais grave e que, geralmente, deixa cicatriz;
  • Foliculite eosinofílica: consiste em uma infecção do folículo piloso que é mais comum em pacientes soropositivos. Manifesta-se por meio de manchas avermelhadas e feridas com pus que coçam e podem deixar o local acometido, geralmente braços e face, escurecidos.

Identificar o tipo de foliculite, especialmente em casos recorrentes ou mais graves, é fundamental para iniciar o tratamento adequado.

Tratamentos e prevenção

O diagnóstico da é feito pelo dermatologista a partir de exame clínico no próprio consultório.

A conduta ideal para tratamento da foliculite depende do tipo e gravidade do quadro e pode contemplar o uso de medicações, além de seguir algumas recomendações e cuidados por parte do especialista.

Medicações frequentemente indicadas incluem antibiótico tópico ou oral (em caso de infecção bacteriana), antifúngicos (em caso de infecção por fungos) e incisão superficial em caso de furúnculos ou corticoides, no caso de foliculite eosinofílica.

Entre as recomendações para aliviar os sintomas e prevenir a recorrência estão:

  • Manter a pele limpa e seca;
  • Hidratar a pele;
  • Ter cuidado ao fazer a barba, reduzindo o atrito com géis ou espuma;
  • Fazer a barba seguindo o sentido de crescimento dos pelos;
  • Evitar o uso de substâncias antissépticas que ressecam a pele.

O diagnóstico e tratamento apropriados são fundamentais para evitar problemas mais graves em decorrência da foliculite, como quadros recorrentes, infecções profundas e cicatrizes.

Para saber mais sobre foliculite entre em contato e agende uma consulta com a Dra. Maria Claudia, dermatologista e especialista em medicina estética.

Fontes:

Sociedade Brasileira de Dermatologia;

Rede D’Or São Luiz.

Dra. Maria Claudia Luce

Formada em medicina pela Universidade Federal de Ciências da Saúde de Porto Alegre (UFCSPA) e com residência em dermatologia no Hospital do Servidor Público Estadual (HSPE), a dermatologista Dra. Maria Claudia Luce é membro titular da Sociedade Brasileira de Dermatologia e sócia-proprietária da Clínica Sense.

ATENDIMENTO PARTICULAR

Preencha o formulário e aguarde nosso contato ou se preferir, ligue:
11 2306-1192

Horário de funcionamento: 09h às 20h