Fale conosco pelo WhatsApp Fale conosco pelo WhatsAppEnvie uma mensagem

Para que serve a excisão da pele?

excisão da pele
08 set, 2021

Procedimento é indicado para diagnosticar diversas doenças de pele, principalmente o câncer

A excisão é um procedimento realizado para remover uma lesão de pele, que pode ser benigna ou maligna. Se a lesão for pequena, a excisão da pele pode ser feita em ambulatório, com anestesia local. O exame pode ser realizado para diagnosticar todo tipo de doença de pele: tumores benignos e malignos, doenças inflamatórias (psoríase, por exemplo) ou infecciosas (hanseníase, entre outras).

A excisão da pele é o tratamento padrão-ouro para o câncer de pele, ou seja, é sempre a primeira opção para a retirada do tumor, podendo depois ser combinada com outros tratamentos, como a radioterapia ou pomadas imunomoduladoras. A excisão da pele apresenta altas taxas de cura para tumores pequenos, descobertos ainda em estágios iniciais.

Como é feita a excisão da pele?

O dermatologista, ao medir a área a ser removida, inclui uma margem de segurança, no caso de suspeita de câncer de pele. A largura desta margem de pele normal removida depende de fatores como o tipo de câncer de pele, tamanho do tumor e sua profundidade. Em seguida, o especialista limpa a região tratada e aplica uma injeção com anestésico no local da lesão a ser removida.

A remoção pode ser feita com bisturi até a camada gordurosa da pele, assim, o profissional se certifica de que todo o material foi retirado. Em seguida, ele deverá ser enviado a um laboratório para análise patológica.

O fechamento da ferida cirúrgica se faz com pontos e curativos. Após um período de cinco a 20 dias os pontos são removidos. A duração do procedimento de excisão da pele depende do tamanho da lesão que será retirada e da possibilidade de ter alguma complicação. A excisão da pele deixa uma pequena cicatriz no local.

Recomendações antes de realizar a excisão da pele

  • Suspender o uso de medicamentos ou ativos que aumentem o tempo de sangramento, tais como anticoagulantes (varfarina ou ácido acetilsalicílico), gingko biloba, vitamina E e cápsulas de alho;
  • Continue a tomar quaisquer medicamentos de prescrição médica de uso crônico, principalmente para controle do diabetes e da hipertensão arterial, a menos que seu médico recomende a suspensão;
  • Use roupas confortáveis: é recomendável usar roupas que não sejam muito apertadas e sejam fáceis de vestir, para não ter nenhum incômodo;
  • Não é necessária a realização de jejum no caso de cirurgias ambulatoriais de pequeno porte.

Cuidados após a excisão da pele

A excisão da pele, no geral, tem uma cicatrização tranquila e sem problemas. Após a remoção dos pontos, é necessário hidratar e massagear delicadamente o local com um produto indicado pelo médico.

Se a cicatriz for em área exposta, deve-se aplicar diariamente um protetor solar com FPS 50. É necessário fazer um acompanhamento com seu cirurgião ou médico para que ele monitore o processo de recuperação e se certifique de que a ferida está cicatrizando corretamente.

Nos casos de tratamento do câncer de pele, embora a excisão da pele tenha uma alta taxa de cura, há sempre um pequeno risco de recorrência, ou então do paciente desenvolver câncer de pele em outro local. Por isso, é importante manter o acompanhamento regular com o dermatologista para detectar qualquer alteração.

Embora a excisão da pele seja a maneira mais efetiva de tratar o câncer de pele, nem todos os pacientes têm condições clínicas para se submeter ao procedimento. Pode ser contraindicada para aqueles com idade avançada, que apresentem problemas de coagulação, alergia aos anestésicos, que estejam imunodeprimidos ou utilizem marcapassos. Para essas pessoas, o dermatologista avaliará a melhor opção de tratamento, por isso é importante contar com um profissional habilitado e experiente.

Veja também outros procedimento da dermatologia cirúrgica.

Fontes:

Sociedade Brasileira de Dermatologia;

Instituto Oncoguia.

Autor: Dra. Maria Claudia

Formada em Medicina pela Universidade Federal de Ciências da Saúde de Porto Alegre (UFCSPA) e pós-graduada em Medicina de Família pela mesma instituição, a dermatologista Dra. Maria Claudia Alves Luce fez Residência Médica em Dermatologia no Hospital do Servidor Público Estadual de São Paulo (HSPE) e possui título de especialista pela Sociedade Brasileira de Dermatologia (SBD). Atualmente realiza Pós-Graduação em Dermatocosmiatria pela Faculdade de Medicina do ABC (FmABC).