Fale conosco pelo WhatsApp Fale conosco pelo WhatsAppEnvie uma mensagem

Pintas no corpo: saiba o que são!

pintas no corpo de uma mulher
05 ago, 2021

As pintas no corpo são manifestações comuns em decorrência do acúmulo de melanócitos na derme. Veja quando os nevos são normais e quando demandam atenção médica especializada.

As pintas no corpo, chamadas no vocabulário médico de nevos melanócitos, são classificadas como pequenos tumores benignos formados pelo acúmulo anormal de melanócitos na derme e não consiste, em geral, em riscos à saúde.

Os melanócitos fazem a produção da melanina, sendo responsável pelo tom de pele e cabelos. A concentração anormal deles, que ainda não tem os motivos esclarecidos cientificamente, na derme mais profunda resulta em pintas no corpo azuladas e as mais superficiais são pretas ou amarronzadas.

As pintas no corpo podem ser congênitas, desde o nascimento, formarem-se na infância e na idade adulta.

É normal ter muitas pintas no corpo?

Como visto, a formação das pintas deve-se por um mecanismo não totalmente conhecido pela Medicina que é o acúmulo de melanócitos, mas trata-se de uma manifestação normal que afeta quase todas as pessoas.

Em geral, as pintas não apresentam riscos à saúde, mas é preciso observar algumas características e adotar cuidados ao longo da vida para minimizar as chances de malignidade.

Um estudo publicado no British Journal of Demartology identificou que um número de pintas que deve ser um sinal de alerta aos pacientes são mais de 11 pintas no braço direito. Essa quantidade indicaria que, no corpo todo, seriam mais de 100 nevos.

Dessa forma, pessoas com mais de 11 pintas no braço podem ter chances aumentadas de desenvolver melanoma em alguma fase da vida. Trata-se, entretanto, de uma estimativa, de forma que ter esse número de nevos não necessariamente vai resultar em um caso de câncer de pele.

A malignidade dos nevos tem mais chances de acontecer em sinais expostos frequentemente à radiação solar sem proteção, portanto, em nevos localizados na face, pescoço, colo e braços. Além disso, se a região é lesionada constantemente os riscos também são maiores.

Como saber se as pintas são perigosas?

Atualmente, uma das formas de identificar se há malignidade em pintas no corpo ou se é necessária uma investigação especializada do dermatologista é verificar a regra ABCDE. Ela consiste em:

  • Assimetria: as pintas saudáveis são simétricas quando você as divide no meio e compara os lados;
  • Bordas: as bordas irregulares são um mau indício, sendo que o normal é que elas sejam regulares. A alteração demanda atenção médica especializada;
  • Cor: as pintas normais têm uma única cor, sendo que se o nevo se apresenta com duas ou três tonalidade é preciso acompanhá-lo de perto;
  • Diâmetro: pintas no corpo com mais de 5 milímetros demandam atenção médica e observação constante, pois é maior do que o considerado normal;
  • Evolução: alterações significativas nas pintas ao longo dos anos também devem ser vistas com cautela, sendo que o normal é que não haja muitas mudanças nas características de um nevo.

Além de usar a regra ABCDE para acompanhar as características e alterações das pintas no corpo é importante atentar-se a sinais preocupantes como coceira, ardência, vermelhidão ou dor e desconforto em um nevo.

Esses sintomas não são normais e devem ser investigados com urgência por um médico especialista.

Como saber quando é necessário remover uma pinta do corpo?

Caso identifique alguma dessas alterações ou características anormais nas pintas no corpo o primeiro passo é buscar ajuda especializada de um dermatologista para uma investigação mais aprofundada.

A dermatoscopia é um exame realizado no próprio consultório médico no qual o dermatologista consegue visualizar a pinta de forma ampliada, analisando características que sustentem um indício de malignidade.

Caso as suspeitas se confirmem, o especialista pode indicar a remoção da pinta, o que pode acorrer no próprio consultório médico em caso de pintas superficiais ou demandar internação hospitalar em caso de nevos profundos e extensos.

Na remoção é coletada uma amostra para biópsia da pele, exame que vai confirmar se existe malignidade na pinta ou não.

A remoção de pintas no corpo também pode ser realizada por desejos estéticos. Nesse caso, o procedimento pode também ser por raspagem ou laser.

Fontes:

Clínica de Dermatologia – Dra. Maria Claudia Luce

Sociedade Brasileira de Dermatologia

Autor: Dra. Maria Claudia

Formada em Medicina pela Universidade Federal de Ciências da Saúde de Porto Alegre (UFCSPA) e pós-graduada em Medicina de Família pela mesma instituição, a dermatologista Dra. Maria Claudia Alves Luce fez Residência Médica em Dermatologia no Hospital do Servidor Público Estadual de São Paulo (HSPE) e possui título de especialista pela Sociedade Brasileira de Dermatologia (SBD). Atualmente realiza Pós-Graduação em Dermatocosmiatria pela Faculdade de Medicina do ABC (FmABC).