Fale conosco pelo WhatsApp

Queloide ou granuloma: saiba como identificar

Queiloide ou granuloma
09 jun, 2022

Ambas as alterações podem se formar após um trauma na pele, como um corte, mas têm características e tratamentos diferentes

Após um procedimento cirúrgico, uma queimadura, um corte ou machucado na pele, algumas pessoas podem enfrentar problemas de cicatrização, resultando no aparecimento de alterações, como queloide ou granuloma. Mas você sabe diferenciar cada um deles?

Para que você possa identificar e diferenciar se é queloide ou granuloma, primeiro é preciso entender o que é cada um.

O que é queloide?

O queloide é caracterizado como o crescimento anormal de tecido cicatricial que se forma em um local que sofreu trauma. O tecido cresce excessivamente e de maneira disforme com o objetivo de restaurar a área machucada. Apesar de ser uma alteração benigna, que não traz nenhum risco à saúde, o queloide muitas vezes acaba causando incômodo estético devido à sua aparência.

Além disso, algumas pessoas relatam sentir dor, coceira e sensação de queimação ao redor da cicatriz e, dependendo do local afetado, pode haver limitação dos movimentos, principalmente quando ele forma perto das articulações.

Existem algumas pessoas que têm maior propensão a desenvolver queloide, como as mulheres, pessoas com pele negra ou mais morenas ou as de origem asiática.

Quando uma pessoa tem tendência a formar queloides, qualquer lesão pode favorecer sua formação — mesmo que seja um pequeno corte ou uma cicatriz de acne. Há casos de pessoas que formam queloide até mesmo quando colocam um brinco, um piercing ou fazem uma tatuagem.

O que é granuloma?

O granuloma também é uma alteração benigna que pode ocorrer ao redor de uma lesão na pele — são comuns, por exemplo, surgirem após a colocação de piercings. Na verdade, ele é uma reação do organismo a uma infecção ou inflamação, como a que ocorre quando um corte ou trauma na pele. Sua aparência é diferente do queloide.

Geralmente, surge em formato de uma pequena bolinha avermelhada, com tamanhos que variam de 2mm a 2cm. Costuma inflamar, doer, coçar.

Quais as principais diferenças entre queloide e granuloma?

A aparência é a principal diferença e o que vai ajudar você a descobrir se é queloide ou granuloma a alteração que surgiu na sua pele após um trauma, cirurgia, corte ou queimadura.

Queloide ou granuloma precisa ser tratado?

Depois que a médica identificar se a alteração na pele é queloide ou granuloma, ela decidirá pelo melhor tratamento. O granuloma, na maioria dos casos, desaparece sozinho. Em geral, manter o local bem higienizado já é suficiente para a resolução do problema. Deve-se também evitar ficar tocando o local, de modo diminuir o risco de infecções bacterianas.

Quando o granuloma persiste, recidiva (ou seja, volta) ou quando ele começa a crescer, deve-se procurar ajuda médica. Nesses casos, o médico pode indicar alguns procedimentos, sendo os mais comuns:

  • Curetagem e cauterização;
  • Aplicação de laser;
  • Congelamento das lesões;
  • Medicamentos de uso tópico.

Já o queloide não desaparece espontaneamente com o passar do tempo, quando a alteração causa incômodo, pode ser tratada com:

  • Radioterapia local;
  • Crioterapia (congelamento);
  • Aplicação de laser;
  • Injeções de corticosteroides;
  • Microagulhamento;
  • Terapia fotodinâmica;
  • Uso de medicamentos tópicos;
  • Cirurgia.

A escolha pelo melhor tratamento vai depender do tamanho e do local do queloide. Em alguns casos, eles podem ser feitos em associação para que se alcance um melhor resultado.

Em relação à cirurgia, ela é indicada apenas quando os outros procedimentos não apresentaram resolução para o problema, pois há o risco de se formar novo queloide após essa cirurgia de correção, principalmente quando o procedimento não é realizado por um profissional especializado.

Durante a cirurgia, o médico realiza pequenas incisões que abrangem toda a extensão da cicatriz. Com auxílio de um bisturi, ele retira o tecido cicatricial e a fibrose da região. Em seguida, sutura os cortes, o que vai gerar outra cicatriz, só que mais discreta e harmoniosa.

O objetivo da cirurgia é fazer com que a cicatriz se torne mais uniforme em relação ao tom e textura de pele. Com ela, é possível amenizar alterações como:

  • Descoloração;
  • Irregularidades na superfície da cicatriz;
  • Vermelhidão ou escurecimento;
  • Contraturas que limitam o movimento.

Saiba como identificar o queloide ou granuloma com a Dr. Maria Claudia, entre em contato e agende já uma consulta.

Fontes:

Dra. Maria Claudia Luce

Biblioteca Virtual em Saúde

Sociedade Brasileira de Dermatologia

Dra. Maria Claudia Luce

Formada em medicina pela Universidade Federal de Ciências da Saúde de Porto Alegre (UFCSPA) e com residência em dermatologia no Hospital do Servidor Público Estadual (HSPE), a dermatologista Dra. Maria Claudia Luce é membro titular da Sociedade Brasileira de Dermatologia e sócia-proprietária da Clínica Sense.

ATENDIMENTO PARTICULAR

Preencha o formulário e aguarde nosso contato ou se preferir, ligue:
11 2306-1192

Horário de funcionamento: 09h às 20h

Ao clicar em enviar os dados, você concorda com a POLÍTICA DE PRIVACIDADE